'Eu sou do Centr√£o', diz Bolsonaro em aceno ao PP

Em entrevista nesta quinta-feira, Bolsonaro disse que ele próprio é do Centrão e defendeu o grupo político afirmando que o termo é "pejorativo".

Por Paulo Pereira em 22/07/2021 às 17:43:55
O posicionamento de Bolsonaro em relação ao Centrão agora, porém, é diferente do adotado por ele e seus aliados durante das eleições de 2018. (Foto: Reprodução)

O posicionamento de Bolsonaro em relação ao Centrão agora, porém, é diferente do adotado por ele e seus aliados durante das eleições de 2018. (Foto: Reprodução)

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) defendeu a proximidade do chamado Centr√£o com o Pal√°cio do Planalto. Nesta quinta-feira, ele confirmou a ida do presidente do PP, o senador Ciro Nogueira (PI), para o comando da Casa Civil. Em entrevista nesta quinta-feira, Bolsonaro disse que ele próprio é do Centr√£o e defendeu o grupo pol√≠tico afirmando que o termo é "pejorativo".

— O Centr√£o é um nome pejorativo. Eu sou do Centr√£o. Eu fui do PP metade do meu tempo. Fui do PTB, fui do ent√£o PFL. No passado, integrei siglas que foram extintas, como PRB, PPB. O PP, l√° atr√°s, foi extinto. Depois, nasceu novamente da fus√£o do PDS com o PPB, se n√£o me engano — afirmou.

Para Bolsonaro, o termo se tornou pejorativo quando foi relacionado ao PSDB:

— Agora, nós temos 513 parlamentares. O tal Centr√£o s√£o alguns partidos que l√° tr√°s se uniram na campanha do (ex-governador de S√£o Paulo Geraldo) Alckmin e ficou, ent√£o, rotulado Centr√£o como algo pejorativo, algo danoso à na√ß√£o. N√£o tem nada a ver. Eu nasci de l√° — continuou, em entrevista à R√°dio Banda B.

O governo federal tem se alinhado ao Centr√£o numa tentativa de garantir governabilidade em meio às crises sanit√°ria, pol√≠tica e econômica, que levantam as possibilidades de impeachment do presidente h√° um ano e tr√™s meses das elei√ß√Ķes de 2022. A CPI da Covid também tem preocupado o Poder Executivo diante da apura√ß√£o da gest√£o do governo na pandemia e das den√ļncias de corrup√ß√£o e irregularidades envolvendo militares do alto escal√£o do Ministério da Sa√ļde.

O posicionamento de Bolsonaro em rela√ß√£o ao Centr√£o agora, porém, é diferente do adotado por ele e seus aliados durante das elei√ß√Ķes de 2018. À época, o atual ministro do Gabinete de Seguran√ßa Institucional, general Augusto Heleno, ao fazer refer√™ncia ao grupo, chegou a cantar: "Se gritar 'pega Centr√£o', n√£o fica um, meu irm√£o". Atualmente, ministros como Fl√°via Arruda (Secretaria de Governo), Tereza Cristina (Agricultura, Pecu√°ria e Abastecimento) e Jo√£o Roma (Cidadania) também s√£o ligados ao Centr√£o.

Fonte: Da Redação com O Globo

Comunicar erro
radioweb

Coment√°rios

Anuncie Aqui